domingo, 25 de janeiro de 2009

455 anos: São Paulo, uma senhora inteirona


Alguns reclamam do trânsito, outros do barulho, outros das pessoas, mas o que todos concordam é que não existe cidade igual no mundo.

Em que lugar do mundo você encontra todas as raças do mundo ? Cristãos, Judeus, Indus, Palestinos, Árabes... Italianos, Portugueses, Chineses, Japoneses e por outros a fora. Uma mistura que faz a cidade andar, que faz ela ser o que ela é: São Paulo.

Tenho uma paixão declarada pela cidade e não escondo isso. Andar durante a semana de carro, pode ser um tormento, mas ao mesmo tempo amo andar por todas as ruas de São Paulo, todas tem o seu charme.

Mas o que gosto mesmo é de parar para ouvir a cidade. De dia, o barulho que não para dos carros, construções, gente falando, gente trabalhando. Já de noite, ouvimos também os mesmos barulhos, mas de fundo temos a negritude da noite, que trás muito mais charme para tudo o que acontece.

Para mim, não existe passeio mais prazeroso do que andar em São Paulo de noite, mas bem tarde da noite. E se estiver garoando então... aaaaa que vontade de ficar a noite inteira andando, curtindo o friozinho da madrugada, a luminosidade especial que aparece com a chuva.

Aliás, não conheço tempo melhor para fazer em São Paulo do que aquela garoa típica, que fez a fama de São Paulo. Está cada vez mais raro, mas sempre que ocorre, tento andar na garoa e não tem nada melhor do que você andar no centro da cidade com a garoa caindo, é fantástico !

Tive o prazer de conhecer a cidade de São Paulo por um ângulo que a maioria dos paulistanos não conhecem: Por cima dos prédios. Tive a oportunidade de trabalhar instalando rádio de internet por essa cidade e digo que é emocionante você ver o movimento da cidade por esse ângulo, principalmente quando se está de noite. São imagens para nunca se esquecer.

Desde criança amo andar no centro da cidade: Rua Direita, Praça Ramos, Avenida São João, Anhangabaú, Viaduto do Chá, Líbero Badaró, Páteo do colégio e várias e várias ruas. Às vezes fico tentando imaginar como seria a São Paulo de antigamente, andar no centro desviando dos bondes, dos homens de chapéu, sem a loucura de hoje em dia...


Às vezes tenho vontade de ir embora dessa loucura, mas foi nessa cidade eu nasci, cresci, vivo, casei, terei meus filhos e sempre viverei. E tenho um enorme orgulho de ser PAULISTANO e dizer:

São Paulo, eu te amo !

Parabéns pelos 455 anos a todos que fazem dessa cidade uma coisa ímpar, sem igual... por fazer de São Paulo essa cidade que tanto amamos.

Termino esse post com a mais Paulistana das músicas de Caetano: SAMPA

Vídeo 1:



Vídeo 2:



Vídeo 3:

Nenhum comentário: