sexta-feira, 3 de agosto de 2007

Sete pecados do software livre - Segundo o Yahoo!


O site Yahoo! Tecnologia fez uma "avaliação" em que o software livre fica devendo para um software comercial. Abaixo colocarei o que eles acham e o que EU acho. Espero comentários de todos.

Yahoo!: Custo: pode parecer difícil competir com algo que muitas vezes é grátis, mas é preciso lembrar de que o software livre continua tendo custos de suporte e treinamento – este último freqüentemente mais caro do que no mundo dos programas proprietários, já que a maioria dos profissionais já está acostumada a eles e precisa reaprender uma série de atividades nos programas abertos.

JCM: Concordo com eles quando falam sobre custos de suporte. Afinal, a maioria das empresas que desenvolvem softwares livres, tiram a sua receita do suporte oferecido e não da compra do software + suporte. Mas se colocarmos na balança, com certeza veremos que o custo com suporte até o aprendizado do nosso software será bem menor do que se fosse preciso renovar a licença de um software anualmente. Quanto a custo do treinamento, um exemplo de que isso não é a realidade é a comparação do custo de um curso na Impacta de OpenOffice e de Office 2007.

Modulo II de excel e word:


E apenas o curso de Calc (excel do openoffice):


Não existe nem comparação de custos concordam ?

Y: Interface: não estamos falando de beleza, mas de facilidade de uso. Embora existam exceções, muitos programas abertos são construídos de acordo com a lógica dos programadores envolvidos, o que pode não fazer sentido nenhum para o usuário. Em outras palavras, são difíceis para uma pessoa comum usar simplesmente porque não foram feitos para ela, mas para outros programadores.

JCM: Isso no meu modo de ver é uma meia verdade. Porque na grande maioria das vezes as interfaes dos programas são baseados nas inferfaces dos softwares que já existem. Se voce pegar por exemplo o Openoffice, DIA (ferramenta de diagramação), Planner, eles são praticamente idênticos, mas tenho que concordar que realmente existem programas que os caras viajam muito no layout.

Y: Documentação: programadores gostam de programar, não de escrever manuais. Sem uma área dedicada ou a obrigação de fazê-la, por que dedicar tempo a produzir ou manter atualizados os guias de seus softwares? Pior: mesmo quando a documentação existe, é escrita para quem já conhece a tecnologia a fundo. Assim como a interface, acaba excluindo o usuário comum.

JCM: Essa eu discordo totalmente !! Todo tipo de documentação que precisei de software livre eu encontrei na internet. Estou para ver comunidade mais unida para ajudar um usuário do que a comunidade de software livre. É apenas uma questão de saber procurar no Google e não falar uma besteira gigantesca como essa :-D.

Y: Restrições contratuais: embora uma das virtudes do software livre seja a possibilidade de qualquer um modificá-lo, quando se compra um pacote open source ou contrata uma empresa para dar suporte a determinado programa, umas das condições do contrato é que você não altere nada no código, para não inviabilizar o suporte. Ou seja: no final, é praticamente um retorno ao modelo fechado.

JCM: Essa discordo novamente. Como vou dar suporte em uma modificação no software que nao fui eu quem fiz ? Ainda não temos o poder de vidência para adivinhas as cacas que o "programador" fez.

Y: Estímulo: as associações de produtores de software fechado adoram defender este ponto: sem a possibilidade de proteger seu trabalho intelectual para lucrar com ele, há pouco estímulo para empresas e programadores independentes (exceto no meio acadêmico) dedicarem esforços ao software. Os bilionários da indústria de software nunca teriam chegado lá se tudo o que criaram fosse aberto.

JCM: Realmente, não existe quase nenhum tipo de estímulo e tudo é feito com a intenção de se cobrar o suporte do software ou até mesmo por satisfação pessoal. Não conheço ninguem que tenha ficado rico com venda/suporte de software livre. Uma Pena.

Y: Organização: dizem que a imagem de centenas de programadores espalhados pelo mundo, colaborando espontaneamente com um projeto, não passa de um mito. Os projetos open source bem sucedidos seriam aqueles em que há um pequeno núcleo de pessoas coordenando o projeto, ainda que apoiados por uma comunidade maior. Quando vira anarquia, a evolução do programa se torna lenta ou simplesmente pára.

JCM: Anarquia ??? Lenta ??? Será que ele já parou para ler alguma coisa sobre o desenvolvimento do Linux em si e até mesmo,por exemplo do Firefox ? Um BUG da versão 2.0.0.5 foi encontrado no Firefox na quinta-feira passada, segunda feira já existia atualização desse software. Quem escreveu esse texto esta bem doido.

Y: Abertura: o modelo sem compromissos comerciais permite que se criem novos recursos indefinidamente, muitas vezes em detrimento do aperfeiçoamento do que já existe e sem preocupação com datas de entrega. Em longo prazo isso pode ser bom, mas para quem está esperando um novo release mais estável de um programa, é complicado não ter nem de quem cobrar um cronograma.

JCM: Realmente não ter cronograma da entrega de uma nova versão é complicada por diversos fatores: segurança, bugs, facilidades e etc. Mas nem todos são assim, um exemplo disso é a distribuição Fedora, que sempre lança um cronograma das suas novas versões e as atualizações, quase toda semana tem algo relevante para se atualizar.

Fontes: http://br.tecnologia.yahoo.com/070801/54/1mvim.html

2 comentários:

Rafael disse...

Bom Júlio, vou apenas comentar os pontos q eu acho realmente importantes:

Custo: Um DBA Oracle é mais barato que um DBA PostgreSQL? (acho q não preciso falar mais nada). Esse é um exemplo, não dá pra generalizar falando q software livre eh sempre mais caro em suporte q o software pago. Bola fora do yahoo

Interface: depende do projeto. já viram o openxchange? o round cube? o XGL? Novamente, não dá pra generalizar. Outra bola fora do yahoo.

Documentação: o cara q escreveu essa asneira deveria ser mandado embora por justa causa... a documentação de TODOS os softwares livres q uso e q já usei sempre foram ótimas (melhores do que mtos softwares pagos por ai). Bola fora do yahoo outra vez.

Restrições contratuais: esse é um ponto controverso. Por um lado, o yahoo está certo em dizer q se perdem os benefícios de suporte ao se exercer o direito de alteração do código. A licença GPL diz q eh permitido modificar e redistribuir o codigo fonte de um projeto open source. Ao modificar, vc está criando o "seu" projeto, ou a "sua" versão (as you wish). Como pedir suporte a uma empresa de um software q foi vc quem fez? Isso non existe, como diria Padre Quevedo...

Estímulo: da mesma maneira q Microsoft e Computer Associates pagam funcionários próprios para desenvolver software, grande parte do software livre sendo desenvolvido hj é financiado por empresas quem tem interesse direto em sua conclusão (HP, a própria CA, Novell...). A propriedade intelectual pode não ser preservada pra efeitos legais, mas todos sabem quem foi q fez os softwares e essas pessoas são reconhecidas mundialmente pelas suas comunidades... Ninguém está trabalhando de graça ao desenvolver software livre.

Organização: há mtas empresas ditas "profissionais" que não tem sequer ambientes de desenvolvimento, homologação e produção bem separados... gerir um time open source, só pq os programadores estão espalhados ao redor do mundo, não quer dizer absolutamente nada. Afinal, a internet existe pra que???

Abertura: finalmente concordo. Porém, as novas features (ou bug fixes) surgem para satisfazer as necessidades, primeiramente, dos seus respectivos investidores. Quanto a velocidade de desenvolvimento, o software livre sempre esteve a frente do proprietário... a Sun criou o Glass Fish para, de tempos em tempos, pegar um release dele e vender como Sun Application Server. Qual deles é o mais atualizado?

Enfim, yahoo... melhor rever os seus conceitos de software livre.. afinal, vcs mesmos usam pra kct... PHP, FreeBSD, Qmail... não é?

Will disse...

Bom, lendo as conclusões que o Yahoo tem sobre o software livre, podemos notar que, quem escreveu isso tudo, é fã da M$.

O chato é que grandes empresas tem exatemente essa mesma visão dos softwares livres, que algo mto errado, falar de algo que vc mesmo não conhece, tira conclusões de revistas e não da sua experiencia profissional. Isso é algo que vivo diáriamente e sei que mais gente lida com mtas pessoas com esse tipo de "conhecimento", mas fazer o que né...