domingo, 1 de abril de 2007

Uma eterna diversão


Desde que me conheço por gente, tenho video-game em casa. A lembrança mais remota que tenho é de um jogo de "forca" para o Odyssey², que voce tinha que completar as palavras que estavam na tela, utilizando o teclado embutido no próprio console.

Após isso, lembro de horas que passava na frente da televisão jogando River Raid, FrosBit e Enduro do Atari 2600.

Depois de alguns anos de nostalgia, sem nenhum video game em casa, meu pai trás para casa o lançamento da TecToy no Brasil: Master System. Era um sonho ter um video game em casa novamente, e junto com ele, meu pai trouxe 2 jogos: World Cup Italia '90 e Astro Warrior.

Em pouco tempo, tinhamos diversos jogos de Master, incluindo o classico dos classicos, Super Monaco GP, em que ficava meu pai e eu, durante boa parte do dia na frente da TV disputando cada "curva" :).

Os anos se passaram e vieram Super Nintendo (jogo até hoje), Playstation, N64, Dreamcast (uma decepção, marcando realmente o fim da Sega como empresa de consoles) e Playstation 2.

Depois de tantos anos com VG em casa, estou a quase 2 anos sem VG em casa, pois vida de casado nao é fácil não :), porém sempre que vou à casa de meus pais, jogo no do meu irmão.

E sexta-feira, entramos em um novo patamar... meu irmão comprou aquele que até o momento, está sendo para mim a melhor invenção que já inventaram na indústria de VG: Playstation 3 .

O console é simplesmente animal, tendo tudo o que um fanático por games pode ter. Um centro de entretenimento completo: MP3, DVD, Blue-ray, Wi-Fi, Internet e a grande possibilidade de se instalar Linux como sistema operacional secundário e o melhor, oficilamente suportado e incentivado pela Sony.

Até agora estou tentando digerir os gráficos do jogo Resistance: Fall of Man. É um gráfico que nem no meu PC, com 256 de memória de video eu tinha visto em qualquer jogo.

Quando pensei que estava vendo uma animação em CG, na verdade estava controlando o Sargento Nathan Hale pelo controle BlueTooth do PS3. Jogabilidade fantástica, respostas rápidas em todos os movientos e medo, muito medo em uma atmosfera totalmente sombria do jogo. Nota 10²

Uma experiência ímpar nessa nova era de games e espero que a cada ano que passe, tenhamos sempre essa válvula de escape para o stress do dia a dia, afinal, ninguem é de ferro e temos que fantasiar um pouco as vezes.

Aproveitem e vejam a pesquisa dos 10 jogos mais iportantes de todos os tempos na IDG Now:

10 jogos mais importantes de todos os tempos

2 comentários:

Anônimo disse...

Depois de ler isso cheguei a uma única conclusao.......

...Odyssey? tu tá velhinho heim?

rsrsrs

Júlio Mauro disse...

Odyssey é nois !!

era muito bom !